Sexta-feira, 17 de Julho de 2009

As estátuas-menires

 

 

Imagem – Estátua-Menir de Peravelha

 

 

 

 

Além dos dólmenes, também foram erguidos menires. Trata-se de monólitos, de diversas dimensões, com aspecto rude ou afeiçoado. Estes monumentos não tumulares, destinados a serem fixados erectos no solo, podem aparecer isoladamente ou agrupados em alinhamentos ou cromeleques (recintos de formas e dimensões variáveis), ou associados a outros monumentos megalíticos (dólmenes ou antas).

Crê-se que estes monumentos, segundo alguns investigadores, revestem-se de um significado simbólico-religioso associado ao culto da fecundidade, do Homem e da Natureza, devido à configuração fálica e/ou humana que, em geral, os caracteriza. Poderão igualmente relacionar-se com cultos ancestrais, acontecimentos importantes da(s) comunidades(s) que se pretendiam perpetuar, marcos territoriais (sinais de orientação na paisagem ou marcos delimitadores de um túmulo ou santuário), lugares de observação astronómica (relacionados eventualmente com a construção de calendários) ou áreas sagradas. 

Alguns monólitos apresentam-se decorados com covinhas ou com outros motivos de carácter simbólico, sendo muito frequentes os círculos, os sóis radiados, as linhas onduladas e as figuras em forma de U.

No planalto da Nave, foram identificadas também duas estátuas-menires que podem ser inseridas cronologicamente na transição do III.º para o II.º milénio a. C. (Calcolítico/Idade do Bronze).

Uma (Estátua-Menir da Nave I ou de Peravelha) estará na sua posição original. Mede, acima do solo, 1,36 m de altura, 0,56 m (base) e 0,42 m (topo) de largura. Os lados medem 0,24/0,31 m (base) e 0,10 m (topo). As faces e os lados são insculturados. A face anterior está orientada para Este/Nordeste.

A outra (Estátua-Menir da Nave II ou de Alvite), pelas suas dimensões e informações orais, não terá sido muito deslocada do seu local de origem. Esta peça escultórica foi encontrada em 1999 (CRUZ), no sítio do Trogal, a Sul/Sudeste da povoação de Alvite, da qual dista cerca de 2 km.

            Trata-se de uma escultura antropomórfica, em granito de grão fino e médio, de configuração sub-rectangular. A face anterior e os lados são insculturados. A base encontra-se fragmentada.

O monólito mede aproximadamente 2,33 m de altura e 0,49/0,55 m de largura (faces). Os lados medem respectivamente 0,38/0,24 m (esquerdo) e 0,36/0,23 m (direito).

Considerando a magnífica qualidade desta escultura, o local mais adequado seria um Museu do Concelho ou, eventualmente, um Núcleo Museológico da Freguesia de Alvite, cujas condições permitiriam a sua conservação e protecção, bem como a sua valorização.

Estas duas peças, pelas características antropomórficas que possuem, são de extrema importância patrimonial face à raridade das mesmas no Norte e Centro do território nacional.

José carlos (arqueólogo)

 

 

 

 

 

 

 

publicado por naveserra às 14:43

link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Em terra de Lobos

. Nascer do sol na Nave

. Consórcio Ventinveste res...

. Construção do Parque Eóli...

. Caminhos da nave

. Penedo do Lagarto

. Quercus apresenta ...

. O parque e o lobo

. Câmara e juntas de fregue...

. Parque Eólico do douro Su...

.arquivos

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

blogs SAPO

.subscrever feeds