Quarta-feira, 15 de Julho de 2009

Governo deixa cair Barragem da Nave

 

Apesar de ter sido definido como prioritário e decisivo para a produção agrícola da região, de ter sido assumido como estratégico por vários governantes e de ser reivindicado há mais de uma década, o projecto da Barragem da Nave foi inviabilizado pelo Governo. Depois de mais de dois anos sem qualquer resposta ao estudo prévio enviado pela Câmara Municipal de Moimenta da Beira aos serviços do Ministério da Agricultura, a Direcção Regional de Agricultura e Pescas (DRAP) do Norte, após interpelação dos deputados do PSD na Assembleia da República, vem agora afirmar que «o mencionado estudo foi objecto de adequada apreciação», contudo, «da análise no terreno dos capítulos referentes às infra-estruturas do ponto de vista técnico-financeiro, conclui a DRAP pela inviabilidade do projecto, considerada a dispersão dos blocos e o consequente desenvolvimento da rede de rega». Sendo assim, «não se encontra em preparação qualquer candidatura ao PRODER relativa a este investimento, nem qualquer calendarização para a sua realização». Ora, esta decisão apanhou de surpresa o executivo da Câmara de Moimenta, que logo manifestou o seu desagrado quanto à decisão do Ministério, exigindo «a reapreciação do processo, repondo a justiça e legitimidade da pretensão, de modo a que rapidamente o Ministério da Agricultura elabore adequado projecto e aproveite correctamente os fundos que a comunidade europeia lhe disponibiliza, essencialmente para o desenvolvimento deste vasto espaço rural». José Agostinho Correia, presidente da Câmara, frisa que «não nos podemos resignar a uma resposta tão aligeirada e tão simplista», sobretudo quando «há compromissos políticos, de política agrícola, assumidos pelos titulares da pasta da Agricultura e achamos muito pouco correcto que agora sejam completamente alterados». O autarca reforça que «o Ministério tem que reapreciar todo o projecto, se tiver que ser melhorado e corrigido sê-lo-á», mas «não se pode perder mais tempo, porque esta é uma oportunidade única para conseguirmos realizar este projecto, aproveitando o actual Programa Operacional Regional para obter financiamento externo, sem o qual é impossível realizar esta obra». José Agostinho Correia defende este projecto a todo o custo, «nem que a câmara tenha também que assumir a sua quota-responsabilidade directa neste projecto», sobretudo porque se trata de um «um projecto com efeito muito importante e diversificado, quer na área da produção agrícola, da produção energética, ambiental e turística». A construção da Barragem da Nave «poderia ajudar a melhorar a atractividade da zona serrana e contribuir para a melhoria dos rendimentos de toda a população». «Acho que a Câmara deve assumir uma intervenção directa e se outros projectos tiverem que ser sacrificados por este, vale a pena, dado o efeito polarizador que isto tem na economia e no tecido social».

O edil discorda dos argumentos utilizados pelo Ministério, afirmando que «quando se diz que é inviável, é preciso fazer contas e, na minha opinião pessoal, eu não acredito que as tenham feito». «Nós sabíamos que as três condutas para as três zonas mais férteis, onde se concentra a fruticultura, custavam algum dinheiro», refere, no entanto, «é preciso introduzir factores de redução de custos e a componente energética era uma solução, mas pelos vistos ninguém ligou, nem tentou avaliar tecnicamente com profundidade o projecto, introduzindo e alterando o que fosse necessário, por forma a que se concretizasse a construção da barragem».

O mais lamentável, frisa, «é que governantes assumam publicamente uma posição de empenhamento e de decisão sobre esta matéria e depois se esqueçam completamente daquilo que dizem». Porque «se esta decisão nos desagrada a nós, muito mais desagrada aos agricultores e fruticultores que aguardavam ansiosamente o início da construção da Barragem, depois das promessas feitas pelos responsáveis políticos».

 

 

 

Maria João Silva (Jornal Beirão)

publicado por naveserra às 17:52

link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Em terra de Lobos

. Nascer do sol na Nave

. Consórcio Ventinveste res...

. Construção do Parque Eóli...

. Caminhos da nave

. Penedo do Lagarto

. Quercus apresenta ...

. O parque e o lobo

. Câmara e juntas de fregue...

. Parque Eólico do douro Su...

.arquivos

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

blogs SAPO

.subscrever feeds